Arrow
Arrow
PlayPause
Slider

Nobel: Richard Thaler: Pioneiro da economia comportamental

Fonte: DW

 

A Academia Real de Ciências da Suécia laureou (em 09/10/2017) o americano Richard H. Thaler, da Universidade de Chicago, com o Prêmio Nobel de Economia de 2017, por seu trabalho no âmbito da economia comportamental (behavioural economics). O secretário da Academia, Goeran Hansson, afirmou que o americano foi premiado por seu “entendimento da psicologia da economia”. O comitê do Nobel afirmou que o trabalho de Thaler mostra como aspectos humanos afetam decisões individuais, bem como o comportamento da economia em geral, “ao explorar as consequências da racionalidade limitada, preferências sociais e falta de autocontrole”.

Segundo o comitê do Nobel, o economista de 72 anos “tornou a economia mais humana” e é um pioneiro da economia comportamental. Thaler estabeleceu uma ponte entre economia e psicologia para mostrar uma “análise mais realista de como pessoas pensam e se comportam quando tomam decisões econômicas”, afirmou. “Suas descobertas empíricas e percepções teóricas foram instrumentos para a criação do campo da economia comportamental, inovador e em rápida expansão e que tem um profundo impacto sobre várias áreas da pesquisa e da política econômica”, disse o comitê. Logo após o anúncio do prêmio, Thaler disse por telefone ao comitê que considera que o maior impacto de sua pesquisa é “o reconhecimento de que agentes econômicos são humanos e de que modelos econômicos precisam incorporar essa noção”. Thaler receberá o prêmio, no valor de 9 milhões de coroas suecas (1,1 milhão de dólares), no dia 10 de dezembro em Estocolmo.

Thaler fez uma aparição, como ele mesmo, no filme A Grande Aposta (The Big Short), de 2015, que trata do colapso da bolha imobiliária que levou à crise financeira mundial de 2008. “Acho que o presidente Trump deveria ver o filme”, afirmou a jornalistas, por telefone. A Universidade de Chicago, onde Thaler estuda economia comportamental e é docente, parece ser popular no comitê do Nobel de Economia. Dos 79 laureados com o prêmio, mais de um terço é afiliado à escola de economia da instituição. No ano passado, o Nobel de Economia foi atribuído ao economista britânico-americano Oliver Hart e a Bengt Holmström, da Finlândia, por sua pesquisa em teoria de contratos – que ajudou a desenhar políticas de seguros e de remuneração de executivos. O Nobel de Economia foi criado pelo Banco Central da Suécia em 1968. Os demais prêmios Nobel foram criados pelo testamento do inventor e filantropo sueco Alfred Nobel, em 1965. O testamento não continha a menção às Ciências Econômicas, e até hoje se discute a definição “ciência” para a economia.

RK/ap/afp

Esta entrada foi publicada em DW. Guardar o permalink.